sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Brasil registra aumento de transgênicos e agrotóxicos nas lavouras

Pesquisa mostra que em 67% das áreas onde o uso é permitido, sementes geneticamente modificadas são utilizadas

De acordo com levantamento da consultoria Céleres, três variedades de sementes geneticamente modificadas – conhecidas como transgênicas – ocuparam mais de 25 milhões de hectares na safra brasileira 2010 /2011. Este número representa 67% da área plantada com soja, milho e algodão –  únicas commodities do Brasil em que a modificação pode ser utilizada. No total, foram plantados mais de 37 milhões de hectares das três variedades.

A soja conta com a maior área plantada. Dos quase 24 milhões de hectares, 75% são transgênicos. O milho fica em segundo lugar. Dos 5,30 milhões de hectares, pouco mais de 4 milhões são de produção transgênica. Já o algodão ocupou 25,7% da área destinada a cultura.

O aumento das áreas cultivadas explica o crescimento no uso de agrotóxicos. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), no primeiro semestre deste ano foram vendidas 8,6 milhões toneladas de fertilizantes. Um aumento de 5% se comparado ao mesmo período do último ano. De acordo com a integrante da organização Terra de Direitos, Larissa Packer, o uso de fertilizantes aumentou significativamente depois que os transgênicos entraram nas lavouras brasileiras.

“Os campos cultivados de soja e de milho, por exemplo, têm uma determinada semente que é viciada em determinado agrotóxico. Os agricultores não encontram outras sementes e agrotóxicos disponíveis e, com essa compra do pacote tecnológico, é a população quem sofre pela redução de seu padrão alimentar.”

De acordo com a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), 15% dos alimentos consumidos pelos brasileiros apresentam taxa de resíduos de veneno em um nível prejudicial à saúde. Segundo dados da ONU (Organização das Nações Unidas), o Brasil é o principal destino de agrotóxicos proibidos no exterior. Dez variedades vendidas livremente aos agricultores não circulam na União Europeia e Estados Unidos.

Créditos:  Carta Capital -

- Postado por Raquel Lins -

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Inaugurado o Centro de Energias Renováveis da UFPE

Foi inaugurado, na manhã de anteontem (20), o Centro de Energias Renováveis (CER) da UFPE. Na solenidade, estavam presentes o ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, e o secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco, Anderson Gomes.

O CER, um dos mais importantes centros de energia renovável do País, concentrará as atividades nas áreas de energia solar e eólica, nas quais a UFPE ocupa posição de liderança em pesquisas.

A estrutura conta com laboratórios, salas para professores, pesquisadores e estudantes, além de auditório. No local, será possível desenvolver pesquisas visando a novas tecnologias e formar mão de obra especializada. 

O projeto recebeu R$ 2 milhões do Ministério da Ciência e Tecnologia para construção das 20 salas de estudo, dos seis laboratórios e do auditório. O prédio, idealizado por Roberto Montezuma em 2002, possui características bioclimáticas que valorizam a ventilação natural e dispensam uso de ar-condicionados mesmo ao meio-dia, horário em que a solenidade se encerrou. Além disso, serão instaladas placas para captação de energia solar no teto do centro com parte dos R$ 5 milhões investidos em aparelhagem técnica.

Créditos: ASCOM UFPE.

-Postado por Raquel Lins -

Católica vai promover em maio de 2011 o 6º Encontro Internacional das Águas

A Universidade Católica de Pernambuco vai promover nos dias 11, 12 e 13 de maio de 2011 o 6º Encontro Internacional das Águas, que terá como tema “Impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos”. O evento, que tem como presidente honorário o  Reitor da Católica, Pe. Pedro Rubens, será realizado em parceria com a Marinha do Brasil. – Capitania dos Portos de Pernambuco, Chesf, Ministério do Meio Ambiente – Secretaria de Recursos Hídricos, Associação Brasileira de Engenharia Ambiental e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco. Clique aqui para ver a programação. 

O evento ainda terá três minicursos, sendo dois deles, os citados abaixo:

Título: Mudanças climáticas: 40 de progresso ou retrocesso?
Ministrantes: Profa Dra Carla Maria Camargo Corrêa e Doutorando Richardson Guenther Schechi – NIMAD-UFPR – Curitiba/PR

Título: Ecologia de manguezais
Ministrante: Prof. Dr. Clemente Coelho Júnior – UPE – Recife/PE

- Postados por Raquel Lins -

domingo, 28 de novembro de 2010

Poluição do Rio Ipojuca deixa vítimas no interior de Pernambuco

Do JC Online - Núcleo SJCC/Caruaru

Um dos rios mais poluídos do país tem afetado diretamente a saúde da população do interior de Pernambuco. A bacia do Rio Ipojuca passa por 25 municípios e nos lugares de maior degradação ambiental, os problemas de contaminação de algumas doenças também aumentam.

Em Caruaru, no Agreste do Estado, por exemplo, casos de doenças como leptospirose são comuns. “Tive febre, dor de cabeça e dor no corpo. Vi o quanto a doença é perigosa”, comentou seu Marcos Antônio Arruda, que perdeu um amigo que também estava contaminado pela leptospirose.

E o rio não transmite apenas a leptospirose, casos de hepatite A e diarréia também são registrados nos hospitais de Pernambuco. De acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde, em 2009 foram registrados 138 casos de leptospirose, já em 2010 foram 124 até o mês de setembro. Já de hepatite A foram 73 o ano passado e 52 até setembro deste ano. Os casos de diarréia também são preocupantes com 15.456 notificados em 2009 e 11.958 até setembro de 2010.

O alerta é principalmente para as famílias que moram em áreas ribeirinhas. O lixo, o esgoto, que são despejados no Rio Ipojuca acabam aumentando os riscos de contaminação.

Segundo o ambientalista, João Domingos, as pessoas devem tomar os devidos cuidados, já que 90% das internações no país são causadas por problemas ligados a degradação ambiental.


- Postado por Raquel Lins -

sábado, 27 de novembro de 2010

Congresso agrotóxicos, saúde e meio ambiente: pelo direito a informação

Aconteceu nos últimos dias 25 e 26/11 um congresso promovido pelo Ministério do Trabalho sobre agrotóxicos, saúde e meio ambiente.

O evento contou com a presença da professora Lia Giraldo, ex-membro da CTNBio, falando sobre agrotóxicos. Lia, como se sabe, não aguentou a submissão do Conselho às exigências das empresas e o descaso da mesma com o princípio da precaução, saúde das pessoas e do meio ambiente e terminou pedindo pra deixar a entidade. - (Na internet há uma cópia da carta que ela escreveu ao deixar a CTNBio) -

Enfim, além dos agrotóxicos se falou bastante de transgênicos. Que, obviamente, ao contrário do que diziam as empresas, o uso de agrotóxicos aumentou após sua liberação comercial.
Falou-se numa variedade transgênica de cana-de-açúcar que é mais leve e tem mais açúcar. Essa, por sua vez, provoca um contexto de exploração de trabalhadores: os cortadores de cana que tem que RALAR pra conseguir ganhar uma miséria no final do dia vão ter que RALAR MUITO MAIS pra ganhar a mesma coisa. Pesquisando, achei este texto tratando sobre a questão ("A morte por trás do etanol") - uma reportagem da  Isto É - e contendo dados estatísticos dignos de vergonha do nosso país que ainda não deixou o século XVII e desrespeita o homem e o meio ambiente...

Não queremos energia mais limpa desse jeito!
[r]evolução energética já!


Postado por: Pedro Albuquerque

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Últimas peças Greenpeace - Bazar de Natal

Como alguns já devem saber, a loja do Greenpeace de Porto de Galinhas encerrou as operações 2 meses atrás e uma liguidação com o estoque remanescente será feita no Bazar de Natal nesta quarta e quinta-feira próximas com as últimas peças Greenpeace Collection, já que não existem mais lojas no Brasil, nem mesmo virtuais. Lá, teremos uma boa variedade de camisas, baby looks, bonés e biojóias com até 50% de desconto.


Bazar de Natal
24 e 25 de novembro de 2010
Horário: 10h às 20h
Av Boa Viagem, nº. 2820, Edf. Maria Izabel,
Ao lado da Padaria Boa Viagem.
Ajude a Casa da Esperança trazendo uma lata de leite em pó.
Sds- Eduardo

-Postado por Michelle Carvalho de Araújo-

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Fórum discute o uso de ciclovias na Região Metropolitana do Recife

Do JC Online -
 
A importância das bicicletas para o desenvolvimento urbano das grandes cidades, especialmente no Recife, é tema do 1º Fórum do Programa Ciclovia das Cidades, que acontece nesta quarta-feira (24), das 8h às 18h, no Centro de Convenções, Teatro do Brum.

Os gestores públicos da Região Metropolitana do Recife vão ouvir participantes como Mauro Tavares, Coordenador do Programa Rio Estado da Bicicleta, Cláudio Silva, coordenador do Programa Bicicleta Brasil do Ministério das Cidades e Maurício Laxe, Assessor de Liderança da Câmara Federal (DF). A intenção é compartilhar experiências de sucesso na implantação de ciclovias em cidades como Aracaju, João Pessoa e Rio de Janeiro.

Também será apresentado o programa Bicicleta Brasil, do Ministério das Cidades, que apoia a integração das biciletas com o sistema de deslocamento urbano tradicional.

Com o evento, a Secretaria das Cidades pretende firmar com os gestores públicos "uma estratégia de inserção das bicicletas no sistema de mobilidade urbana da RMR".

- Postado por Raquel Lins -

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Recife: Pescadores Artesanais Promovem Ato Dia 22 de Novembro

CONVITE
Caros/as,
Neste dia 22 de novembro, vista sua camisa branca e venha para que juntos possamos dizer: sim a vida e não a morte!
Sim a vida!
§ Pela garantia de nossos direitos previdências;
§ Pela garantia de nossos direitos trabalhista;
§ Pela preservação dos manguezais;
§ Pelo pleno direito e acesso aos nossos territórios de pesca;
§ Pela criação das RESEX em estado;
ð Não a Monte!
† A negação dos nossos direitos;
† Pela devastação provocada pelo Porto de SUAPE em nossos manguezais;
† Pela expulsão dos pescadores/as de seus locais de moradia e trabalho;
† Pelo não atendimento do Governo de Pernambuco, aos pedidos dos pescadores e pescadoras artesanais.

Vamos todos juntos, nesta segunda-feria dia 22 de novembro as 08hs da manhã, no Parque 13 de Maio, na cidade de Recife, para gritamos um não ao hidro e agronegócio e proclamamos um sim a vida pelo direito aos nossos territórios pesqueiros.

Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais;
Movimento dos Pescadores de Pernambuco;
Rede MangueMar Pernambuco;
Conselho Pastoral dos Pescadores;
- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Desrespeito à natureza é uma das causas das cheias

- Série feita pelo PE360º revela que construções em leitos de rios, aterros irregulares e lixo acumulado afetaram o meio ambiente e colaboraram com as enchentes -

Confira o vídeo:



O pior é que mesmo com a tragédia que vimos este ano, pouco foi aprendido: paulatinamente construções são realizadas nas mesmas áreas de risco.

- Postado por Raquel Lins -

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Supressão de Manguezais Gera Poesia

Construção de estrada e aterro de mangue em Maracaípe.
Fotografia feita pelos por integrantes do Movimento Salve Maracaípe.
Não desista, mangue querido!
Sonhei com um grande manguezal e sua densa lama negra,
Havia calmas águas, pastando em sua generosa beleza.
Entrava absorta na atmosfera e me deixava afundar...
Penetrei até suas raízes, e vi a vida se formar.
Estavam agora em plenitude, crustáceos, mariscos e outros animais.
Era um grande berço a se estender no leito, com suas árvores mantendo a paz.
Eu dormia no ecossistema e sorria feliz sem saber do fato.
Tamanha a riqueza e o significado...
Eu estava dormindo e não via o mangue morrendo a sufocar!
Não sabia que és tu, que proteges a vida, que pescamos no fundo do mar.
Tu és o descanso e a guarida para a vida procriar.
Quis olhar novamente e agora bem acordada.
O mangue sofria com a erosão e já desmoronava!
Nosso manguezal se decaindo e junto com ele minhas lágrimas...
Está ficando tão pequeno perante as águas do mar.
O estuário, não sabe falar, mas sinto que teme não receber mais a tua colaboração
e perder a proteção que tens pra dar.
Estás registrado no canto que um dia o poeta entoou.
Tu tens a receita da vida, de segredo revelado e vendido.
Refém nas mãos sem sentido, dos homens corporativos.
Se tornando mercadoria e fardo, sem o real valor mensurado.
Não desista, mangue querido!
Me tornei mais um ser dedicado...
Vou lutar para que sejas respeitado, tu e teu solo sagrado.
MANUELA GUIMARÃES FILGUEIRAS

Manuela Figueiras é integrante do movimento Salve Maracaípe.
Lembrando que Pernambuco - Terra da Manguetown e Memória de Chico Science -  atualmente é o Estado que mais desmata Mangues no Brasil, só na região de Suape serão suprimidos 508,36 hectares desse ecossitema.

- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Mudanças Climáticas é Tema Recorrente em Pernambuco

No último mês de outubro houve dois seminários tratando desse tema no nosso Estado: Mudanças Climáticas e dos Desastres Ambientais no Nordeste: Respostas da Sociedade Civil e do Governo (dias 13 e 14) e o II Workshop de Mudanças Climáticas e Recursos Hídricos no Estado de Pernambuco (dias 25, 26 e 27).

O primeiro seminário tratou das Respostas da Sociedade Civil e do Governo diante das Mudanças Climáticas e dos Desastres Ambientais no Nordeste, tendo como exemplos recentes, as cheias nas cidades de Barreiros e Palmares. Nesse evento, moradores de Barreiros (cidade quase totalmente submersa com a cheia do rio Una) deram seus depoimentos sobre o dia 18/06/2010: “Andávamos em direção ao ponto mais alto da cidade, íamos ficando cada vez mais ilhados, as águas subiam e chegavam a lugares que nunca haviam chegado antes, não entendíamos o que estava acontecendo” dizia uma moradora.

Já o segundo seminário tratava-se do II Workshop de Mudanças Climáticas e Recursos Hídricos no Estado de Pernambuco. Nesse encontro, climatologistas relatavam a importância de não se culpabilizar apenas o clima, mas deve se observar o grau de vulnerabilidade das sociedades às variações climáticas. Outro fato importante foi o relatado pelo climatologista João Santana: “Mudança Climática ou variabilidade? Precisamos de tempo para inferir o que é ou não normal”. Já para a Francis coordenadora do Lamepe as mudanças climáticas que estão acontecendo e têm impacto direto na qualidade de vida do homem. Outros estudiosos corroboravam com essas idéias e mostravam estudos de aumento da temperatura em várias regiões do Estado de Pernambuco.

Um ponto em comum em ambos os eventos foi que muitas catástrofes são esperadas e previsíveis, no entanto, pouco tem se realizado em termos de prevenção ou planos de fuga nas cidades afetadas, sendo assim, torna-se imprescindível a atuação e planejamento de ações com a defesa civil. Além do mais, foi relatada importância de haver ações de sensibilização para que as populações mais vulneráveis saibam agir na minimização dos possíveis impactos ocasionados por desastres ambientais.

- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Plano Estadual de Enfrentamento às Mudanças Climáticas


A SECTMA (Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente) do estado de Pernambuco realiza a partir de amanhã reuniões para discutir o Plano Estadual de Enfrentamento às Mudanças Climáticas. Confira mais informações e programação no site da secretaria http://www.sectma.pe.gov.br/.


Pernambuco começa, atrasado, a preparar um plano de enfrentamento às mudanças climáticas que já estão ocorrendo. Antes tarde do que nunca! Tomara que façamos uma lei estadual de mudanças climáticas boa, que possa ser cumprida e que toda a sociedade se comprometa com o sucesso da legislação.


Postado por: Pedro Albuquerque

sábado, 6 de novembro de 2010

3º Congresso de Sustentabilidade - Celpe


Texto escrito por Rodrigo Mozart, voluntário Greenpeace.

A concessionária de um serviço público essencial, a Companhia Energética de Pernambuco (CELPE) é uma empresa de energia elétrica controlada pela Holding Neoenergia S/A (Composto por COELBA - CELPE - COSERN), o maior grupo privado de energia do Nordeste em número de clientes e o terceiro maior investidor privado do setor elétrico brasileiro.

Segundo dados da CELPE (2009), a empresa distribui energia elétrica para os 184 municípios de Pernambuco, para Distrito Estadual de Fernando de Noronha e para o município de Pedras de Fogo, localizado na Paraíba (PB), abrangendo uma área de concessão de 102.745 Km².
Em seu evento - 3º Congresso de Sustentabilidade - com tema: Transforme Palavras em Atitudes, contou com um público variado (estudantes universitários e empresários regionais e locais). Ainda, também com palestrantes de empresas "influenciadoras", tais como: Instituto Akatu, Global Reporting, Rede Varejista Wal-Mart e Banco Bradesco.

Cada palestrante informou conhecimento apenas positivo, com ressalva, do Instituto Akatu dando ênfase ao programa consumo consciente e exemplificando a INSUSTENTABILIDADE... O mais interessante foi a palestra da Ana Cristina Mascarenhas, responsável pelo programa de eficiência energética e as trocas dos refrigeradores antigos por refrigeradores a gás Isobutano, um hidrocarboneto que nas condições ambientes é um gás incolor, inflamável e não tóxico.
Postado por: Pedro Albuquerque

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Direto ao ponto

Notícia - 20 out 2010.

Cansados de propostas vagas, ativistas do Greenpeace pedem a Dilma, pessoalmente, que assine compromisso pelo desmatamento zero e pela lei de renováveis.

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, tentou mais uma vez pintar sua campanha de verde. Nesta quarta-feira (20), no Hotel Nacional, em Brasília, ela assinou o documento “Compromissos de Dilma com o Meio Ambiente”, no qual se compromete a fazer do assunto prioridade do governo, caso seja eleita. Mas ativistas do Greenpeace consideraram o documento vago. Sem rodeios, ofereceram uma caneta à candidata e abriram um banner com uma pergunta direta: “Dilma, desmatamento zero e lei de renováveis: você assina embaixo?”
Ativistas estendem faixas e cobram posição de Dilma. Greenpeace / Felipe Barra
Dilma não assinou, apesar dos conselhos para assinar vindos de Pedro Ivo, assessor de Marina Silva, e do deputado Sarney Filho, ambos do PV e que tinham acabado de declarar apoio à candidata do PT. Irritada, bateu boca com as ativistas do Greenpeace, mas evitou que militantes exaltados partissem para a agressão física.

A candidata se comprometeu com o veto a anistia de desmatadores e com a redução de áreas de preservação permanente (APPs) e de reserva legal, propostas de seu companheiro de coligação Aldo Rebelo (PCdoB-SP) para mudar o Código Florestal. Também afirma que cumprirá as metas de redução de emissão de gases-estufa, assumidas pelo presidente Lula no fim do ano passado na Conferência do Clima.
Porém, ao não assinar, ela contradiz o que ela disse no mesmo local: tolerância zero para desmatador. Agora o Greenpeace espera que a contradição se transforme em afirmação pró-floresta.

“Não queremos um presidente que seja ambientalista desde criancinha, mas que assuma o compromisso e diga com clareza como vai pôr um fim no desmatamento e dar ao país o máximo de participação das energias renováveis em sua matriz energética”, disse Sergio Leitão, diretor de campanhas do Greenpeace. “Essas são apenas duas das principais demandas que o Brasil tem para sair na frente e se tornar uma potência verde no futuro. Vocação nós já temos.”

A ação dos ativistas faz parte da campanha “Vote por um Brasil mais verde e mais limpo”, iniciada este mês pela organização. Diante da apatia dos candidatos em relação aos temas ambientais, o Greenpeace resolveu pedir uma posição mais clara de Dilma Roussef e José Serra (PSDB). Por meio de uma petição online, em uma semana mais de 10 mil pessoas perguntaram aos dois como eles vão garantir que as árvores parem de cair na Amazônia e que fontes limpas como o Sol e o vento entrem de vez na matriz energética do país.

“Os candidatos têm a oportunidade e a obrigação de dizer aos eleitores por qual Brasil eles vão lutar: um verde e desenvolvido ou um devastado e atrasado”, afirma Leitão.

Vote por um Brasil verde e limpo - assine a petição.
Veja no youtube como foi a atividade.
- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

domingo, 17 de outubro de 2010

Eu voto por um Brasil mais verde e limpo


O que o próximo presidente da República fará para garantir um Brasil mais verde e mais limpo? Pergunte a eles e aproveite para avisá-los que o desmatamento zero e um plano para ampliar o uso de fontes de energia limpa terão peso na sua decisão de voto no 2º turno das eleições presidenciais em 31 de outubro. Seja um Ciberativista, clique aqui e  assine a petição.


Você também pode pedir diretamente aos candidatos:
No Twitter
@dilmabr
@joseserra_
No facebook
http://www.facebook.com/dilmabr
http://www.facebook.com/timeserra45


- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

Espaço Ciência é destaque na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Entre os dias 17 e 24 de outubro, acontecerá a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia que tem como tema “Ciência para o Desenvolvimento Sustentável”. Em Pernambuco, o Espaço Ciência terá uma programação diversificada com exposições, oficinas, atividades na Trilha Ecológica, mostra de fotos e vídeos. Os interessados podem agendar visita pelo número 3183.5531.

No dia 17, na abertura do evento, Espaço Ciência e parceiros com a Caravana da Ciência levarão ao Museu do Homem do Nordeste exposições itinerantes, demonstrações de ciência e matemática, pesquisa escolar online e diversos experimentos com o objetivo de divulgar a ciência.

A partir do dia 18, no Espaço Ciência, os visitantes participarão de atividades na Trilha Ecológica e das oficinas: Diagnóstico ambiental, Resíduos sólidos, Fogão solar, Foguetes de garrafa PET, Dominó ecológico e Biodiesel: um combustível ecológico.

Desde a criação da SNCT, o Espaço Ciência tem uma programação intensa, tanto na sua sede como em itinerância no interior do Estado. Este ano, o Museu contribuirá para a semana científica da Escola Politécnica de Pernambuco e uma equipe móvel apoiará o evento em Salvador.

PARCEIROS Durante a SNCT, o Espaço Ciência receberá diversos parceiros. No Festival Ver Ciência, acontecerá a exibição de filmes produzidos pela BBC em parceria com o Conselho Britânico e a produtora Andréa Motta. Nos dias 18 e 19, o Parque Dois Irmãos traz ao Espaço Ciência uma exposição fotográfica dos animais do horto. No dia 20, a Aldeia Bonsai ensinará aos visitantes sobre o cultivo, poda e cuidado das plantas bonsai. A CELPE, no dia 21, também participará com a exposição Eficiência energética para o caminho da sustentabilidade, mostrando alternativas corretas para utilização da energia elétrica no ambiente domiciliar.

O Museu também receberá trabalhos artísticos elaborados por estudantes e docentes de biologia de escolas públicas e da UPE, coordenados pela professora e geneticista Rita Moura. A Exposição Ciência e Arte traz ao público um novo olhar da biologia com enfoque na genética.


- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Ação Mundial Pelo Clima em Recife

Ontem dia 10/10/2010, ativistas e voluntários de várias instituições fizeram um protesto e posaram durante a realização de um FLASH-MOB. A ação aconteceu no Marco Zero - Recife Antigo - por volta das 16h15min até as 17h15min e foi parte da campanha 10:10, Dia de Ação Global por Soluções Climáticas, promovida pela 350.org em mais de 188 países. Pedimos a redução da emissão de CO2 para 350ppm - cientistas consideram que esse é o limite de segurança para atenuar os atuais fenômenos provocados pelo processo de mudanças climáticas -. Atualmente as emissões desse gás estão em aproximadamente 390ppm fato que acentua o processo supracitado.

Foto: Lídia Marques - Articulação Verde Choque

Estiveram presentes além dos voluntários do Greenpeace, as Loucas da Pedra Lilás, Movimento Salve Maracaípe, representantes do "Eu quero nadar no Capibaribe" e  PROSA: Projeto de Sensibilização Ambiental, entre outros. Os voluntários do Greenpeace seguravam faixas que diziam: "NÃO ESTAMOS PEDINDO MUITO, É SÓ SALVAR O PLANETA".
 
- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

Seminário Mudanças Climáticas e Desastres no Nordeste



Próximos dias 13 e 14 acontecerá no Auditório do SENAI, em Santo Amaro, Recife (PE), o Seminário Mudanças Climáticas e Desastres no Nordeste. O evento tem como foco discutir sobre as enchentes ocorridas em Junho deste ano, na Mata-Sul do Estado. A atividade coincide com o Dia Internacional de Redução de Riscos de Desastres. O Seminário é promovido pela Oxfam GB, Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social (Cendhec), Diaconia e Fase e recebe o apoio da Save The Children e Visão Mundial.
- Postado por Michelle Carvalho de Araújo -

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Ação 350 - Soluções para o Clima

Cientistas apontam que estamos produzindo cerca de 387 milhões de ppm (partes por milhão) de CO2. Sabe-se que esse gás contribui para o efeito estufa,  fenômeno que acentua o aquecimento do planeta. Atualmente considera-se que o limite superior de segurança para a quantidade de CO2 na nossa atmosfera deveria estar em torno de 350 ppm. Devido a essa realidade, no dia 10/10/2010 haverá uma ação mundial pelo clima, a fim de alertar para o que aponta o gráfico abaixo: 

Fonte: http://www.350.org/pt/ci%C3%AAncia-de-350
Vale salientar que o CO2 é um gás extremamente necessário para a fotossíntese, bem como para o equilíbrio do clima da Terra. A problemática atual ocorre devido ao excesso desse gás na atmosfera. Logo, essa ação busca alertar as pessoas a respeito da necessidade da minimização dos danos ocasionados pelos excedentes do CO2.

Em Recife a ação acontecerá por volta das 16hs no Marco Zero (Recife Antigo).



-Postado por  Michelle Carvalho -

II Workshop de Mudanças Climáticas e Recursos Hídricos do Estado de Pernambuco

Entre os dias 25 e 27 de otubro acontece em Recife o II Workshop de Mudanças Climáticas e Recursos Hídricos do Estado de Pernambuco.

Informações sobre inscrição e programação: http://minerva.ufpel.edu.br/~blima.faem/index.htm

- Postado por Michelle Carvalho -

sábado, 25 de setembro de 2010

Ciclo de palestras encerrado na UFPE

Gostaríamos de agradecer a todas e todos que estiveram presentes no ciclo de palestras organizado pelo grupo local de voluntários. Ficamos muito felizes com a participação de mais de 150 pessoas. 


Não queremos que vocês sejam somente ouvintes. Queremos, e o planeta precisa, que vocês sejam ativistas para frear as mudanças climáticas, que lutem por uma [R]evolução energética, que entrem na onda de proteção dos oceanos e que deixem os transgênicos longe de nosso prato.

Assine a newsletter do Greenpeace para receber informações por email.

Acompanhe o grupo de voluntários pelo blog, twitter, facebook e orkut.

Inspire as pessoas a mudarem seus hábitos e atitudes. Inspire a ação!




Postado por: Pedro Albuquerque

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

"O Mundo segundo a Monsanto", filme que denuncia a gigante dos transgênicos

O filme "O Mundo segundo a Monsanto" é tema de hoje dia 24.09.2010 no Ciclo de Palestra promovido pelos voluntários do Greenpeace em Recife. Esse documentário destaca os perigos do crescimento exponencial das plantações de transgênicos, que, em 2007, cobriam 100 milhões de hectares, com propriedades genéticas patenteadas em 90% pela Empresa Monsanto.

Local: auditório do CCB na UFPE, acontece as 18:30min.
- Postado por Michelle Carvalho -

Mudanças Climáticas foi tema de ontem

Ontem dia 23.09.2010, o Ciclo de Palestras promovido pelos voluntários do Greenpeace em Recife - que aconteceu na UFPE no auditório do CCB - foi marcado pelo tema "Mudanças Climáticas".

Palestra sobre Mudanças Climáticas - Voluntários do Greenpeace

- Postado por Michelle Carvalho -

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Hoje é o Dia Mundial Sem Carro

Adaptada do site Greeenpeace Brasil em  17 set 2010 às 13:00, por Laura Fuser.

Desde 2000, o dia 22 de setembro é a data mundial para lembrar as pessoas que um estilo de vida com menos poluição, trânsito e menos CO2 é possível. Ou seja, por um dia sem carros. Pois tais veículos de locomoção queimam combustíveis e emitem gas carbônico, aquele famoso gás de efeito estufa que contribui para o aquecimento global.

Voluntários em ação no Recife - na entrada da UFPE
A proposta desse dia é, por meio lúdico, estimular formas alternativas de locomoção como: bicicletas e transporte coletivo de qualidade. Outra idéia, é promover ações como caronas solidárias. Para tanto, os voluntários do Greenpeace emitirão multas simbólicas aos veículos, em especial àqueles que têm apenas o motorista, pois assim as emissões de gases provenientes do efeito estufa são mais acentuadas.

- Postado por Michelle Carvalho -

Primeiro dia do Ciclo de Palestras

Nesta terça-feira dia 21/09/2010 deu-se início ao Ciclo de Palestras promovido pelo grupo de voluntários do Greenpeace em Recife. No primeiro dia, o tema proposto foi Oceanos e a palestra foi ministrada pela professora Rosangela Lessa. Amanhã dia 22 - lembrando que é o Dia Mundial Sem Carro - o prof. Heitor Scalambrini Costa irá debater sobre (R)evolução Energética.

Primeiro dia do Ciclo de Palestras

Ainda há tempo para quem quiser participar, porém as vagas são limitadas!
Local: auditório do CCB - UFPE
Período, 21 a 24 de setembro, sempre às 18:30hs
Inscrições através do email gruporec.br@greenpeace.org (Informar: Nome completo e CPF). 

- Postado por Michelle Carvalho -

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Voluntários do Greenpeace em Recife promovem Ciclo de Palestras - começam hoje!



Local: auditório do CCB - UFPE
Período, 21 a 24 de setembro, sempre às 18:30hs
Inscrições através do email gruporec.br@greenpeace.org (Informar: Nome completo e CPF). É necessário para inscrição: Vontade de mudar o mundo e qualquer donativo para as vítimas das chuvas de AL e PE. Obs: Emissão de certificados para os participantes.

- Postado por Michelle Carvalho -

Dia da Árvore

O museu Espaço Ciência oferecerá oficinas em que os visitantes conhecerão a diversidade da flora do manguezal, aprenderão sobre animais que dependem das árvores para sobreviver e compreenderão a importância de plantar árvores.

Data: 21/09/2010 a partir das 08:00
Endereço: Parque 2. Memorial Arcoverde, Complexo de Salgadinho, CEP 53020560, Olinda, Pernambuco
Autoria: Espaço Ciência
Contato: 81 31835531 ou comunicacaoec@gmail.com
Site: http://www.espacociencia.pe.gov.br/
-Postado por Michelle Carvalho -

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Grupo de Voluntários orienta a população no Dia Mundial de Limpeza de Praia


Hoje, domingo dia 19/09/2010, os voluntários do Greenpeace em Recife estiveram na praia de Olinda –PE, para alertar os banhistas sobre o Dia Mundial de Limpeza de Praia, o qual faz parte do projeto Clean Up the World Weekend (Fim de Semana de Limpeza do Mundo).  

Vale salientar que  que os oceanos são responsáveis por 50% do oxigênio que respiramos. Eles nos fornecem alimentos, energia, água, sal, entre outras matérias-primas importantes, além de meios de locomoção. Como são fundamentais para o equilíbrio climático da Terra, o planeta inteiro sentirá as conseqüências de qualquer mudança marítima. O futuro dos oceanos depende de todos nós e todos nós dependemos dos oceanos.
Resíduos retirados do meio aquático. 

 
A praia de Olinda – trecho na altura do antigo quartel - foi a escolhida pelo grupo, tanto pelo fato de apresentar muito lixo espalhado pelo chão, quanto pelo motivo de haver poucas ações em educação ambiental referentes à coleta do lixo.
 

Lixo encontrado em um trecho da praia.
 

Os voluntários do Greenpeace conversaram e deram algumas orientações aos banhistas e aos barraqueiros, visto que, além da degradação de um bem público, o lixo exposto pode afetar a qualidade do lazer e saúde dessas pessoas.

A propósito, também foi importante alertar a população sobre a probabilidade dos resíduos deixados na praia atingirem os mares durante a preamar: nível máximo de uma maré cheia, algo observado neste local.
  
Conversa com banhistas.
 
Outro aspecto importante foi o relato de um Garí: “coletamos diariamente cerca de dois mil sacos de lixo nesse trecho de praia”. Entretanto, observou-se também que a população sente falta de lixeiras para pôr o material descartado.





- Postado por Michelle Carvalho -

sábado, 18 de setembro de 2010

Dia Mundial de Limpeza de Praia


Neste domingo dia 19 de setembro, voluntários do Greenpeace em Recife estarão na praia de Olinda, na altura do quartel para alertar os banhistas sobre o Dia Mundial de Limpeza de Praia, o qual faz parte do projeto Clean Up the World Weekend (Fim de Semana de Limpeza do Mundo).
Fonte: http://www.praiaseca.com.br/ambiente/cleanday/apresent.htm

O Projeto supracitado é do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), nele grupos, organizações e comunidades são incentivadas a limpar praias, rios, lagos e lagoas, e também promover educação ambiental das pessoas.

Participem, vamos entrar nesse multirão, levem seus sacos ou caixas para recolher o lixo!

-Michelle Carvalho-

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

PROSA - Projeto de Sensibilização Ambiental

Nesta, sexta feira, dia 17/10/2010  pelo 4ª ano consecutivo, o PROSA organiza um manifesto em prol do Rio Capibaribe. Esse manifesto, para quem não sabe, consiste no recolhimento do lixo que fica na margem do rio, no trecho que fica na rua da Aurora, nas proximidades do cinema São Luís. Todo o lixo captado é exposto na Ponte Duarte Coelho, para chocar os transeuntes e toda população, e tentar sensibilizar a todos a respeito do estado de degradação em que o nosso Capibaribe se encontra. Esse material é pesado e posteriormente recolhido pela Emlurb.



Divulguem, espalhem, chamem todo mundo! Sua presença é fundamental!


- Postado por Michelle Carvalho -

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

SETEMBRO - CICLO DE PALESTRAS - GREENPEACE‏ RECIFE

Neste mês, voluntários do Greenpeace Recife promovem ciclo de palestras:


Local: auditório do CCB - UFPE
Período, 21 a 24 de setembro, sempre às 18:30hs

- Postado por Michelle Carvalho -

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Curso "Dinâmicas Ambientais Urbanas e Gestão Territorial"

O PET Geografia UFPE convida a todos para participar do Curso em Dinâmicas Ambientais Urbanas e Gestão Territorial, a ser realizado entre os dias 23 e 27 próximos.
As inscrições ocorrerão até amanhã, 20 de agosto, na sala 612 do PET Geografia, 6º andar do CFCH/UFPE com o custo de R$10,00 (dez reais). Para a obtenção do certificado, o inscrito deverá participar de no mínimo 24 das 30 horas do curso. - (Programação completa) -

Créditos: Assessoria de Comunicação UFPE.

- Postado por Raquel Lins -

Código Florestal é tema de debate da OAB

Interessados  em debater e saber mais sobre o polêmico Novo Código Florestal poderão participar de evento promovido pela Comissão de Meio Ambiente (CMA) da Ordem dos Advogados do Brasil em Pernambuco (OAB-PE), na próxima quinta-feira (26), a partir das 19h.

O debate vai acontecer no auditório Capiba da Faculdade Maurício de Nassau, no Bloco Capunga. O espaço é localizado na Rua Fernando Lopes, 778, nas Graças, Zona Norte do Recife.

O evento será coordenado pelo presidente da CMA, Antônio Beltrão, e terá como debatedores o promotor de Justiça André Silvani e a professora Caroline Fernandez.


Créditos: Blog Ciência e Meio Ambiente JC

- Postado por Raquel Lins -

domingo, 15 de agosto de 2010

Greeenpeace fez protesto na praia de Boa Viagem


Neste último domingo, dia 15 de agosto, o grupo de voluntários e ativistas do Greenpeace Recife esteve na praia de Boa Viagem (Zona Sul), sob um sol escaldante para alertar a população contra o perigo da exploração de petróleo e os possíveis desastres ecológicos envolvendo acidentes em plataformas marítimas.

Ativistas simulam praia contaminada pelo vazamento de petróleo.
Durante a atividade os ativistas - com os corpos cobertos por uma pasta negra semelhante ao petróleo - simulavam banhistas em um domingo de praia. Eles seguravam um banner escrito: “BP Hoje, Pré-Sal Amanhã”. O motivo foi ressaltar o recente acidente na plataforma da BP (British Petroleum) no Golfo do México e simular possíveis impactos em caso de acidentes com a exploração do pré-sal no Brasil.

BP hoje, pré-sal amanhã!
O Greenpeace defende que haja transição da matriz energética ultrapassada e perigosa para fontes renováveis: como energia eólica e solar. Lembrando que o acelerado consumo de combustíveis fósseis tende a aumentar as emissões de gases do efeito-estufa, as quais contribuem para o aquecimento global.

Chega de petróleo! [R]Evolução Energética já!

- Postado por Michelle Carvalho e Rodriggo Mozart -

sábado, 14 de agosto de 2010

Nós vamos invadir sua praia


Fonte: Greenpeace Brasil em 13 de agosto de 2010.


Greenpeace vai à orla de Salvador, Recife e Rio de Janeiro pintado de negro para fazer um alerta dos perigos da exploração de petróleo em alto-mar.

Ativistas com os corpos cobertos por uma pasta negra que simula petróleo percorrerão a orla das três capitais este domingo, dia 15 de agosto. O gesto é simbólico, mas representa o perigo real de acidentes envolvendo plataformas de petróleo em águas profundas.

Na mão, nossos voluntários manchados de óleo carregarão os dizeres “Cuidado com a sua praia”, uma referência ao recente vazamento de óleo no Golfo do México (EUA) e aos impactos do plano brasileiro de investir no pré-sal.

Serviço:
A manifestação acontece a partir das 09h em Recife - na Praia de Boa Viagem, altura do Edifício Acaiaca.
Em caso de chuva, não haverá a atividade.





- Postado por Michelle Carvalho -

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

A sustentabilidade tem que ser honesta

A British Petroleum vai amargar para sempre as consequências da pior catástrofe ambiental da história dos Estados Unidos. E não é só ela, terceira maior companhia petrolífera do mundo, que sentirá os efeitos negativos desse desastre inimaginável. Os milhões de barris de óleo jogados ao mar terão um impacto significativo em toda a atividade de extração de petróleo, em especial em águas profundas, aumentando as exigências por segurança, além de provocar maior vigilância da sociedade em relação à responsabilidade socioambiental das empresas.

A lição que emerge dessa tragédia ambiental é que o conceito de sustentabilidade, palavra da moda em organizações de todos os portes e segmentos de atuação, vai ser cobrado de forma muito mais efetiva. Para se dizerem sustentáveis, as empresas terão, cada vez mais, que cuidar de forma irrepreensível dos três pilares da sustentabilidade sendo de fato e não só no discurso:
1. economicamente viáveis;
2. socialmente justas; e
3. ecologicamente corretas.

Um “furo” em qualquer um desses princípios pode comprometer a própria sobrevivência da empresa, como a BP está comprovando na prática, com um prejuízo de bilhões de dólares e uma imagem devastada — talvez de forma irrecuperável — perante a opinião pública.

Sustentabilidade não pode ser apenas uma ferramenta de marketing, utilizada para passar uma imagem que não corresponde à realidade. Alguns documentos divulgados pela Comissão de Energia e Comércio do Congresso norte-americano apontam que a BP fez uso de uma série de “atalhos” para economizar dinheiro e ganhar tempo na operação da plataforma do Golfo do México, o que teria aumentado o risco de vazamentos. Ao mesmo tempo, investia significativamente na construção de uma imagem ousada do ponto de vista ambiental — com a adoção de novos slogan e logomarca, mais “verdes”. Sem a consistência das práticas, restou apenas, agora, uma imagem desmoralizada.

O triste recado do caso BP (que furou milhares de poços e corre o risco de desaparecer por causa de apenas um) para a gestão de todas as empresas é: quando se fala em sustentabilidade, é preciso inverter o ditado popular. Não basta, à mulher de César, parecer honesta. É preciso ser honesta.

Créditos: Revista Algo Mais (artigo da TGI Gestão).

- Postado por Raquel Lins -

Vazamento de petróleo na BP em SP

Ativistas do Greenpeace fazem protesto para lembrar sobre os riscos da exploração de petróleo em plataformas marítimas e pedir investimentos em fontes renováveis de energia

Ativistas do Greenpeace simularam um vazamento de óleo em frente à sede da BP, na capital paulista, em protesto contra o desastre ambiental provocado no Golfo do México pela explosão de uma plataforma de petróleo da empresa no dia 20 de abril. A simulação, que utilizou 4 barris cheios com uma substância preta (uma mistura de farinha com tinta não tóxica e lavável), nem de perto chegou ao tamanho do vazamento provocado no poço operado pela BP, estancado somente em meados de agosto.

©Greenpeace / Alexandre Cappi

Segundo dados do governo dos Estados Unidos, o acidente liberou o equivalente a 5 milhões de barris de petróleo no Golfo do México, paralisando a pesca e o turismo no litoral de 4 estados americanos e causando danos ainda incalculáveis a ecossistemas costeiros e marinhos na região. O número oficial, ainda não auditado por fontes independentes, é suficiente para transformar o vazamento da BP no maior da história e serve para lembrar dos riscos que o mundo corre para continuar a saciar a sua sede por combustíveis fósseis.

"Como já consumimos praticamente todo o petróleo em áreas de acesso mais fácil", aponta Ricardo Baitelo, coordenador da campanha de Energia do Greenpeace, "temos que ir cada vez mais longe e mais fundo para encontrá-lo". As novas reservas brasileiras, por exemplo, que estão na camada do pré-sal, encontram-se a mais de 7 mil metros de profundidade. A plataforma acidentada da BP extraía petróleo no Golfo do México a quase 2 mil metros de profundidade.

"O acidente demonstrou que não há tecnologia capaz de evitar grandes vazamentos no mar", diz Baitelo. Além da falta de segurança, o investimento na exploração de petróleo em águas profundas segue na contramão da necessidade de se buscar fontes de energia capazes de reverter a crise climática. O consumo desenfreado de combustíveis fósseis aumenta as emissões de gases do efeito-estufa, que contribuem para o aquecimento global.

"É mais do que hora de começarmos a investir em fontes renováveis, como eólica e solar, para a geração de energia", insiste Baitelo. No caso do Brasil, existe um projeto de lei tramitando no Congresso para incentivar o investimento e a utilização de energias renováveis, limpas e seguras no país. Mas o governo não parece interessado nele. Prefere enxergar o desenvolvimento do país na exploração das reservas do pré-sal.


Confira o vídeo da atividade:


 
"Estamos olhando para o futuro com a cabeça virada para trás, apostando numa fonte de energia cada vez mais arriscada, finita e suja ", diz Baitelo. As reservas do pré-sal se esgotarão em apenas 40 anos. E se forem totalmente exploradas, podem emitir até 56 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera, consolidando a presença do país entre os maiores responsáveis pelo aquecimento global.

A atividade em frente ao escritório da BP em São Paulo durou cerca de meia hora e envolveu 15 ativistas. Eles derrubaram dois dos barris e fizeram furos nos outros dois, espalhando bichos de pelúcia sobre a substância preta que saía deles, representando a fauna do Golfo do México atingida pelo petróleo que vazou da plataforma. Os ativistas também prenderam uma placa no chão com a frase “BP hoje, pré-sal amanhã”, lembrando dos riscos de se ir cada vez mais fundo na busca de uma fonte suja de energia.

Desde a semana do acidente, representantes do Greenpeace USA, acompanhados de um especialista que lidou com o vazamento da Exxon Valdez (Alasca, 1989), documentam em imagens e relatos os impactos do vazamento com o intuito de alertar para aquilo que nem a BP, nem o governo americano querem revelar. Agora, o navio Artict Sunrise chega ao Golfo, levando cientistas para investigarem como está o fundo do mar após o desastre.

Lembrando: “BP Hoje, Pré-Sal Amanhã”...


- Postado por Michelle Carvalho -

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Aumenta a perda de biodiversidade no planeta

- Notícia do portal Carta Maior -

"Os governos não conseguiram cumprir sua promessa de chegar a 2010 com uma redução significativa da perda de diversidade biológica. Isso é o que acaba de reconhecer o Centro de Monitoramento para a Conservação Mundial, ligado às Nações Unidas. A notícia não causou nenhum escândalo. Pelo contrário, passou desapercebida. Os resultados são conclusivos em demonstrar que a biodiversidade declinou nas últimas quatro décadas. Essa diminuição pode ser observada em distintos grupos animais, como mamíferos ou aves, e na extensão de bosques, manguezais e arrecifes de corais" (Soledad Ghione).



A medida que a atenção se concentra cada vez mais nos temas ambientais globais, como a mudança climática, esquecem-se problemas locais como a alarmante perda de biodiversidade. Os governos não conseguiram cumprir sua promessa de chegar a 2010 com uma redução significativa da perda de diversidade biológica. Isso é o que acaba de reconhecer o Centro de Monitoramento para a Conservação Mundial, ligado às Nações Unidas. A notícia não causou nenhum escândalo. Pelo contrário, passou desapercebida.

Os países signatários do Convênio sobre a Diversidade Biológica acordaram em 2002 que deveriam obter uma significativa redução no ritmo da perda de biodiversidade para 2010, Ano Internacional da Diversidade Biológica. A recente avaliação dessa meta, encabeçada por Stuart H. M, Butchart, do Centro de Monitoramento para a Conservação Mundial do PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), baseou-se em uma série de indicadores, tais como a apropriação de recursos naturais, o número de espécies ameaçadas, a cobertura de áreas protegidas, a extensão de bosques tropicais e manguezais e o estado dos arrecifes de coral. O período avaliado foi amplo: de 1970 a 2006.

Os resultados são conclusivos em demonstrar que a biodiversidade declinou nas últimas quatro décadas. Essa diminuição pode ser observada em distintos grupos animais, como mamíferos ou aves. Reduziu-se também a extensão dos bosques e manguezais e se deterioraram as condições marinhas, por exemplo, nas zonas com arrecifes de coral. As tendências agregadas dos indicadores de estado também pioraram. Em nenhum caso, se identificaram reduções dos ritmos de perdas.

A informação parcial disponível também aponta que os ambientes naturais estão se subdividindo e se fragmentando, com o que sua qualidade de reservatório de fauna e flora se deteriora. Um exemplo disso é o caso da Mata Atlântica brasileira que, no passado, foi o segundo bosque mais extenso da América do Sul e do qual se conservam aproximadamente 10%, numa área fragmentada em parcelas diminutas (80% dos remanescentes têm uma extensão inferior a 0,5 quilômetro quadrado).

O estudo mostra também o agravamento de outros processos, como um maior consumo dos bens que os ecossistemas produzem ou a invasão de espécies exóticas que substituem as nativas. Em nenhum caso se identificaram reduções nas pressões sobre os ecossistemas.

Essa avaliação não desconhece alguns avanços e tendências positivas, como o aumento na cobertura das áreas protegidas, a inclusão sob proteção de novas áreas chave para a biodiversidade ou o aumento da superfície de bosques manejados de forma sustentável (1,6 milhões de quilômetros quadrados). No entanto, o balanço final indica que, em escala global, é altamente improvável que se cumpram os objetivos de conservação fixados para 2010. Os esforços realizados para conservar a biodiversidade têm sido claramente inadequados, com uma defasagem importante entre as crescentes pressões humanas e uma série de respostas lentas e insuficientes.

Estes resultados são consistentes com a avaliação preliminar da situação ambiental sulamericana, divulgada recentemente pelo Centro Latinoamericano de Ecologia Social (CLAES), onde se alerta que o resultado final entre as pressões e os usos da natureza e as medidas de conservação é um contínuo aumento da deterioração ecológica.

Essa grave situação está passando desapercebida enquanto a discussão latinoamericana sobre temas ambientais está cada vez mais absorvida pelos temas da mudança climática global. É necessário alertar sobre estas tendências e redobrar os esforços para que os governos e as sociedades promovam medidas mais efetivas de conservação, incluindo realmente essa dimensão nas estratégias de desenvolvimento, e garantindo o financiamento e respaldo necessários para cumprir com os compromissos assumidos anos atrás.

(*) Soledad Ghione é pesquiadora do CLAES (Centro Latino Americano Ecología Social) – http://www.ecologiayconservacion.com/

  "O mais triste é saber que diante de tudo isso o Brasil encontra-se em processo de retrocesso no que se refere à Legislação Ambiental". 

- Postado por Michelle Carvalho -

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Vazamento de óleo atinge praias do litoral do Rio

- Notícia divulgada no G1RJ em 08/08/2010 -

Praias do litoral do Rio de Janeiro foram atingidas por uma mancha de óleo neste domingo (8). Nem a Marinha, nem a Petrobras sabem a origem do vazamento. O óleo apareceu misteriosamente e deixou banhistas intrigados – e sujos – e pode ter sido a causa da morte de pinguins.
"Eu estou até meio preocupado, porque nem está refinado isto aqui, veio de algum petrolífero. Tem óleo vazando em algum lugar com certeza", afirmou o turista Michel Rodrigues.

Pelo menos cinco praias de Arraial do Cabo e de Cabo Frio, na Região dos Lagos, foram afetadas pela mancha. Por ser um material mais denso, o óleo não pode ser visto sobre a água. Mas placas se espalharam pela faixa de areia, sujando os banhistas.

"Eu sentei aqui para comer, fiquei com o pé todo sujo, o pé da minha filha, a minha barriga. E eu não encostei em nada. E não sai de jeito nenhum, passei a mão várias vezes", disse o banhista Pedro Paulo Damasceno.
O comerciante Paulo Roberto Silva juntou o que pode dentro de sacos plásticos. Mas nem todo o esforço impediu que alguns turistas voltassem mais cedo para casa. "Muita gente foi embora, chegou cedo aqui e a praia estava lotada com esse asfalto, piche", lamentou Paulo Roberto.

Em Cabo Frio, uma das praias afetadas foi a do Peró. Pescadores encontraram cinco pinguins mortos. "Eu estou achando que foi por causa desse óleo que os pinguins morreram também", disse o pescador Samuel Almeida. A região é considerada a capital do mergulho e um dos destinos turísticos mais famosos do litoral fluminense. O medo é que o óleo acabe arranhando a imagem da cidade.

A Petrobras diz que não tem qualquer relação com o a mancha de óleo. A assessoria da empresa informou que a Marinha pediu ajuda para conter o óleo, mas ainda não sabe de onde partiu o vazamento. A Capitania dos Portos recolheu amostras que serão enviadas para análise.

"Se a Marinha e a Petrobras não sabem a origem da mancha de óleo, esperamos então, que sejam  encontrados os responsáveis por esse dano a um Patrimônio Público."

Postado por Michelle Carvalho.

domingo, 8 de agosto de 2010

Capacitação em Compras Sustentáveis

A UFPE vai sediar, nos dias 2 e 3 de setembro deste ano, o Dia Nacional de Capacitação em Contratações Públicas Sustentáveis, evento que acontecerá de forma simultânea em seis capitais brasileiras: Recife, Belém, Rio Branco, Rio de janeiro, São Paulo e Florianópolis. Promovido pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), por meio da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI), o evento já está com inscrições abertas no site http://cpsustentaveis.planejamento.gov.br/?page_id=1419  , onde estão disponíveis o formulário de inscrição e a programação completa. Na UFPE, o seminário acontecerá no auditório do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), no Campus Recife.

O Dia Nacional de Capacitação em Contratações Públicas Sustentáveis é destinado a servidores públicos federais e objetiva sensibilizar estes funcionários a atuarem, nos procedimentos licitatórios a contratar mais com aqueles setores e grupos sociais considerados estratégicos, relevantes ou sensíveis para o desenvolvimento sustentável do País.

O pró-reitor de Gestão Administrativa da UFPE, Marco Tullio Vasconcelos, destaca que o poder público deve atuar no incentivo ao desenvolvimento de práticas de redução de impactos ambientais na produção e consumo de bens e serviços contratados. Daí, o interesse da Universidade em apoiar e participar do evento, por meio da inscrição de grupo de 30 servidores.

Entre os temas a serem abordados estão “Impactos ambientais dos produtos e serviços consumidos pela Administração Pública”; “Enquadramento Constitucional e Legal das Contratações Públicas Sustentáveis”; e “Estudo sobre 3 famílias dos produtos e serviços que mais são adquiridos pela Administração Pública (Tecnologia da Informação, material de expediente e obras e serviços de engenharia”. Atuarão como palestrantes representantes da Advocacia Geral da União; e dos Ministérios do Meio Ambiente e do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Créditos: ASCOM - UFPE.

- Postado por Raquel Lins -

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Tragédia das chuvas e o Código Florestal
Opinião postada no Diário de Pernambuco em 30.06.2010.
      
"O país tem a possibilidade de duplicar sua área de agricultura e pecuária sem mudar a lei" (Mauro Buarque).


Foto: Alcione Ferreira/ DP/ D.A/ Press


No momento em que o Congresso Nacional discute a reforma do Código Florestal, Lei Federal nº 4.771 de 1965, que confere proteção às florestas existentes nas margens dos rios, o que os especialistas chamam de mata ciliar (numa alusão à função dos cílios em relação aos nossos olhos), acontece em nosso Estado mais um incidente de cunho ambiental por desobediência histórica às premissas das leis dos homens e da natureza. Sem querer apontar culpados, de um lado tem a população que compulsoriamente ocupa de forma irregular e ilegal áreas sob a proteção da Lei Federal; de outro, temos o poder público que é sistematicamente leniente e omisso. Tragédia ocorrida, sabe-se que houve os dois fatos e deve-se neste contexto compreender quais os detalhes jurídicos que legisladores e gestores devem construir para precaver e amparar a população. A manutenção de um regramento básico e norteador num país megadiverso, comoatualmente é o Código Florestal, seguramente preserva a população de novos desastres ambientais. Fugir desse regramento, baseando-se na tese que o Brasil tem dimensões continentais e que para tanto deve ter regras estaduais para a ocupação dessas áreas frágeis, será o começo do nosso fim. O deputado Aldo Rebelo, Relator da proposta de alteração do Código Florestal, defendeu em relatório a proposta de isentar pequenas propriedades rurais de respeitar a reserva legal (20% da área da propriedade). Ou seja, o que poderia ser um instrumento de proteção das margens dos rios, já que a reserva legal pode ser a área de preservação permanente se transformará em um estímulo à ocupação de áreas que os rios utilizam para expandir suas calhas e vazar águas no período das chuvas. Transformará alguns casos de exceção e o que foi descumprido (inclusive os que não foram apurados nas esferas administrativa e judicial) em regra.

Caso essa proposta prevaleça, iremos conferir à legislação um grande retrocesso, exatamente em tempos de crise ambiental planetária. Na contramão de outras teses e sabendo que o Brasil já produz mais alimentos do que consome, o deputado defende que "devemos garantir a produção de alimentos para todos os brasileiros a qualquer custo. Para tanto, deve-se ocupar se necessário todas as áreas agricultáveis do território nacional - inclusive as de Reserva Legal e de Preservação Permanente preservadas pelo Código Florestal". Essa tese, que é a mesma da bancada ruralista, seguramente elevará as cifras que o Estado brasileiro deverá gastar desnecessariamente a partir dessa prática. Isso porque teremos mais tragédias, mais refugiados ambientais para acolher e mais cidades para reconstruir.

A Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo, promoveu recentemente estudos que mostram que somente nas áreas tidos como de pasto (terrenos que já foram modificados) há terra fértil suficiente para dobrar a atual produção de grãos no Brasil. O país tem a possibilidade de duplicar sua área de agricultura e pecuária sem mudar a lei, apenas com investimento em tecnologia agrícola. Já no caso das áreas urbanizadas dos municípios, sabendo-se que muitas cidades foram fundadas antes da entrada em vigor do atual Código Florestal, devemos atentar para o processo de desenvolvimento dessas cidades uma vez que grande parte delas não levou em conta a intenção do legislador de resguardar e proteger áreas para que os rios pudessem pulsar e ocupá-las durante a ocorrência das chuvas. Essa desatenção, juntamente com a ocupação desordenada de encostas de morros (áreas que também são protegidas pela Lei), tem levado à proporção das tragédias, como a do vale do Rio Itajaí (SC) e a que aflige todos os anos os morros do Recife e região metropolitana. Assim como o estado de Pernambuco está fazendo escola na adoção de políticas para convivência com as mudanças climáticas, a partir da Lei Estadual sancionada na semana passada, devemos também fazer história e investir em inteligência e informação para que possamos prever com mais segurança e mais antecedência (assim como o Lamepe previu), os eventos extremos do clima. Entretanto, de nada adiantará se não trabalharmos em várias frentes. Inicialmente, temos que aprender com os erros do passado e com os que cometemos no presente, especialmente com a ocupação indiscriminada do território e do consumo dos recursos naturais. Por fim, é urgente que mantenhamos as proteções definidas pelo Código Florestal e que na reconstrução das cidades devastadas sejam respeitadas não só a lei dos homens, mas também a lei da natureza.


Mauro Buarque // Presidente Nacional da Associação de Órgãos Municipais de Meio Ambiente




Postado por: Michelle Carvalho

domingo, 27 de junho de 2010

O Brasil que eu vejo…é insustentável‼

Adaptação da letra da música "Carta ao presidente" - Marcelo D2

O Brasil quer mudar, crescer, desenvolver, pacificar, com uma justiça social e ambiental que tanto alguns tentam conquistar. Se em algum momento algum político conseguiu despertar a esperança. O final da historia é uma lambança. Nosso povo constatará em mais um ano eleitoral que promessas não faltarão, e a corrupção continua alta.
Eu não venho por meio desta com protestos destrutivos, e muito menos apelos ambientalista. Ao contrário, apesar de sofrimento injusto, o que já está ocorrendo em Suape – PE, o que querem fazer com o Código Florestal e a construção da Usina de Belo Monte (… de bosta!) é desnecessário.

Colapso? Ignorância? Ou Subdesenvolvimento do Regresso e da Desordem?
Não somos fãs de canalhas.
Terra para o povo e não me venha com migalhas.
Soberania pais, Da onde vêm essas idéias?
E o tal desenvolvimento econômico, e a sustentabilidade dita na COP-15?
Pra mim, só miséria!

Déficit habitacional.
É favela pra todo canto.
Me lembro de uma reforma agrária
Que assegurasse a paz no campo e nas florestas.

Quando você diz justo, vem de justiça, não é?
Como vamos manter a calma se a justiça é só para a ralé?
Como você disse: Eu quero a verdade completa. Como todos os brasileiros querem a verdade completa. Qual a verdadeira intenção do Brasil querer mudar o Código Florestal? Ter tecnologia em pró de uma fonte energética totalmente suja – como a NUCLEAR? E, por que construir Belo Monte?

Aliás, o Brasil possui potencial enorme em fontes energéticas alternativas, como a Eólica, Solar, Biomassa entre outras… e, por que não investir nelas?

Falando em segurança… Que segurança que o governo tem a oferecer à sociedade brasileira?
Aí só pode estar de brincadeira.
Mas cá entre nós, na verdade, quer saber?
O que todo brasileiro quer é mudar pra valer. Sentimento predominante entre as classes ainda é… Qual seria a diferença do Luiz pro José?

Eu sei, ninguém precisa te ensinar a importância do controle da inflação.
Mas o Brasil solidário, justo e com uma visão de desenvolvimento sustentável, não apareceu aqui ainda. Minha mãe sempre dizia que o exemplo vem de cima
E agora Silva, você tá em cima.

Uma vida sindical bonita, ao lado dos trabalhadores.
Nunca se esqueça! ao lado dos trabalhadores.
Parece que a economia é o mal da nação,
Mas ao meu ver, o mal tá na corrupção.

Não tem dinheiro pra educação, segurança,
saúde então, nem se fala.
Enquanto isso neguinho tá carregando dinheiro na mala.

As cadeias estão cheias de pretos e nordestinos como nós.
Mas os verdadeiros criminosos são os que têm a voz.

Se você não sabia de nada,
Então não está fazendo teu trabalho direito.
Afinal de contas, você é o presidente eleito!

Volto a dizer:
O “sacrifício” continua dos mais necessitados.
Que ainda andam esquecidos e colocados de lado.
O que nos move aqui
É a certeza que o Brasil é bem maior do que isso.
Quando precisar dos que querem o bem
Estamos aí, prontos pro serviço.

Desculpa se eu entendi algo errado, ou expressei algo errado.
Mas estas aqui são as minhas palavras,
Ou melhor, as palavras daqui de casa.

Família brasileira,
Honesta e trabalhadora.
Como quase todas: Honesta e trabalhadora.

Sem mais delongas,
Não repare o sorriso amarelo,
Um abraço do ainda amigo.
Marcelo.


- Postado por Rodriggo Mozart e Raquel Lins -